Cafés, Como Escolher?

Se tem uma bebida que é extremamente social, essa é o café! Receber uma visita, mesmo que inesperada, e não servir essa bebida quente e reconfortante chega a ser quase falta de educação! Como assim você passou a tarde na casa daqueles amigos queridos e saiu sem tomar nem uma xícara de café?

Se antigamente todos tínhamos que saber passar um cafezinho no coador, hoje podemos escolher entre as muitas opções de cafeteiras. Seja na sua máquina de cápsulas, moka, cafeteira elétrica, prensa francesa, Hario ou espresso, saindo um bom cafezinho já estamos felizes!

Mas você sabe escolher um bom café? Esse não é mais um “raio gourmetizador” da vida, apenas boas informações da bebida queridinha do nosso dia a dia, então prestem bem atenção! Sabia que há um selo de qualidade para cada café vendido e há uma boa diferença entre eles? Ao olhar as muitas opções nas gôndolas do supermercado nem sempre o que deve ser priorizado é o preço entre eles, e nesse caso eu diria que o barato pode sair caro!

A ABIC (Associação Brasileira da Industria do Café) criou um padrão de classificação de qualidade dos grãos de café baseado em notas de zero à 10, sendo qualquer coisa abaixo de 4,5 impróprio para consumo!

Café Tradicional – Os mais baratos das gôndolas e também as marcas mais conhecidas por nós. Esses cafés tem grãos irregulares, uma quantidade de sujeiras permitidas como galhos, folhas e até grãos mais passados. Eles são constituídos de gãos arábica*, robusta/conilon* ou blendados e por isso recebem uma torra bem forte para igualar seu sabor.

Café Extraforte – Seguem o mesmo parâmetro dos cafés tradicionais, porém recebem uma torra ainda mais forte, deixando seu sabor mais acentuado e amargo. Não se engane, um café forte não é um café com mais cafeína*, e sim mais torrado!

*Falaremos de grãos e cafeína em um próximo post

Nota de  QG  >= 4,5 e < 5,9.

Nota pessoal: Hoje já acho um café pesado na boca, extremamente amargo (eu já tomo café sem açúcar há anos, então sinto bastante o sabor queimado). Claro que não ligo em tomar de vez em quando, mas acho um café enjoativo para tomar uma xícara maior (como tenho costume pelas manhãs).

Café Superior – São cafés um pouco melhores que os tradicionais por conterem uma quantidade menor de imperfeições e sujidades, e ainda permitem um blend de grãos arábica* e robusta/conilon*.

Nota de  QG  >= 6,0 e 7,2

Nota pessoal: Foi minha primeira tentativa de mudança após descobrir essas informações, e confesso ter notado pouca diferença para o tradicional, porém testei apenas uma marca e um modo de extração!

Café Gourmet – Há um cuidado ainda maior com a qualidade dos grãos e quantidades de defeitos permitidos (limite de 13 a cada 300g de café). Pode-se assim controlar melhor a torra dos grãos ampliando suas notas e percepção de sabores. Somente grãos 100% Arábica.

Nota de QG>= 7,3 até 10

Nota pessoal: Gostei bastante para fazer pelas manhãs na minha casa, é um café mai aromático e leve na boca.

Agora, será que a qualidade acaba por aí? Não! É reconhecido mundialmente uma categoria ainda melhor do que a gourmet creditada pela BSCA – Brazil Specialty Coffee Association, a de Cafés Especiais! Esses cafés seguem em uma linha de origem 100% controlada, ou seja, sabe-se exatamente a origem do cultivo de cada lote garantindo a segurança de seus trabalhadores (evitando assim o trabalho escravo e o trabalho infantil, possivelmente ainda existentes no trabalho agrícola).

Além disso os Cafés Especiais são ISENTOS DE DEFEITOS, ou seja, nada de sujeirinhas no seu precioso pó, somente grãos altamente selecionados na sua torra de preferência! Bom, né?

Nota pessoal: Esse é realmente um café diferenciado, mesmo quando esfria seu sabor continua agradável, tenho feito aos fins de semana ou, como disse, para servir à amigos e pessoas queridas!


Por isso, na sua próxima ida ao supermercado, procure ler o rótulo do café que você sempre compra e descubra em qual categoria ele se encontra. Além disso, aproveite todo esse conhecimento inicial e teste diferentes categorias de cafés na sua casa, ou ao frequentar suas cafeterias preferidas, pergunte mais sobre a bebida servida e sinta as diferenças.

Eu mesma descobri todo esse universo há pouco tempo e já comecei a mudar meu hábitos aqui em casa, melhorei a qualidade do cafezinho do meu dia a dia e procuro servir um grão especial para minhas visitas, tentando sempre dividir todo esse conhecimento ainda pouco divulgado.

Gostaram? Nos próximos posts contarei um pouco sobre os tipos de grãos e sua relação com sabor e níveis de cafeína. Também falarei sobre os diferentes tipos de extração (a parte mais divertida) e como podemos deixar esse ritual ainda mais charmoso em nossas casas!

Comente este Post